DESASTRE ECONÔMICO DA COVID

Sobe desigualdade na América Latina durante a pandemia

Lucas Ribeiro · 30 de Julho de 2020 às 19:12

Relatório da Oxfam, ONG de extrema-esquerda, mostra o fortalecimento dos bilionários globalistas e o desastre das pequenas e médias empresas com o lockdown

Um relatório divulgado pela Oxfam alerta que os mais ricos aumentaram a sua fortuna em 50 bilhões de dólares na América Latina desde o início da pandemia.

Costuma-se usar um raciocínio metonímico quando se diz que “o Covid destrói a economia” —o que não faz sentido, porque o vírus não demite, nem contrata, nem esfria, nem esquenta a economia. A pandemia não faz a desigualdade subir, e sim as ações humanas feitas para combater o vírus chinês. Um relatório da ONG anti-capitalista e de extrema-esquerda Oxfam nos ajuda no diagnóstico, ainda que falhe miseravelmente nas soluções. A Oxfam sempre vai estar criticando a desigualdade, recomendando mais impostos para grandes fortunas e aumentando a presença do Estado. As soluções apresentadas, no entanto, ajudam muito mais a reduzir a riqueza do que a desigualdade.

As medidas de combate ao coronavírus, em boa parte da América Latina, foram extremamente agressivas para os pequenos negócios e médios negócios, e ajudaram a diminuir ainda mais a competição dos meta-capitalistas frente a pequenos capitalistas e empreendedores. Dessa forma, muitas dessas ONGs que se acreditam as maiores defensoras dos pobres e com um discurso francamente agressivo contra as fortunas gigantescas dos maiores capitalistas são, na verdade, seus maiores defensores...