IMPUNIDADE

Série marca 30 anos da morte de Daniella Perez

Claudio Dirani · 21 de Julho de 2022 às 08:07

Documentário sobre o assassinato da atriz, cometido por casal Guilherme de Pádua-Paula Thomaz em 1992, reabre discussão sobre o Código Penal brasileiro. Autores da atrocidade não chegaram a cumprir 7 anos em regime fechado

 

Nesta quinta-feira, 21 de julho, o canal por assinatura HBO Max começa a exibir Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez, uma minissérie documental com direção da dupla Tatiana Issa e Guto Barra.

Com cinco episódios ao todo, a produção antecipa o triste aniversário de 30 anos de um crime que não somente abalou a opinião pública, como serviu de premissa para alterar o código penal brasileiro.

Ainda que a HBO (empresa do grupo Warner Media) tenha escolhido o mês de julho para a estreia do conteúdo, a história central – e trágica – de Pacto Brutal se passou no final de 1992. O caso completará três décadas em dezembro.

O assassinato ocorreu no Rio de Janeiro, entre as 20h-22h de 28 de dezembro daquele ano. Pouco tempo após deixar o estúdio Tycoon no bairro da Barra da Tijuca, Daniella Perez (11/8/1970 - 28/12/1992) foi vítima de uma trama articulada pelo também ator Guilherme de Pádua Thomaz, em cumplicidade com a esposa, Paula Nogueira Thomaz (hoje Paula Nogueira de Almeida). 

Segundo relatos das autoridades, Daniella, então com apenas 22 anos, foi morta depois de ser atacada por Guilherme de Pádua em um posto de gasolina localizado a cinco minutos do estúdio onde ambos tinham acabado de gravar mais um capítulo da trama escrita pela própria mãe de Daniella, a autora Glória Perez.

Antes de ser atacada, a intenção de Daniella Perez era de se encontrar com o marido, o ator e bailarino, Raul Gazolla, para ensaiar um espetáculo musical em um teatro no Shopping da Gávea.

O roteiro do crime foi montado com as seguintes cenas. Após deixar o estúdio de gravação, Guilherme de Pádua, guiando um Volkswagen Santana que pertencia a seu sogro, fechou o Ford Escort de Daniella Perez, após a atriz abastecer seu veículo no posto Alvorada. Ao sair do Escort, Daniella sofre um golpe em sua mandíbula e cai, desacordada. A vítima, então, é arrastada para o Santana onde Paula, mulher de Guilherme, estava no banco traseiro. De lá, eles dirigem até um ponto coberto por espesso matagal, em uma região da zona oeste carioca.

Após chegar ao destino, Daniella foi posicionada em uma espécie de círculo, onde recebeu 18 golpes de punhal na região do tórax. As agressões perfuraram o coração, um dos pulmões e o pescoço de forma fatal.

Para ler o texto completo, assine o BSM.