BRASÍLIA

Posse de Moraes como presidente do TSE é considerada termômetro para as eleições

Yasmin Alencar · 16 de Agosto de 2022 às 22:53

Após a posse, convidados e imprensa participaram dos cumprimentos ao ministro e de evento regado a whiskey, vinhos e espumantes; Bolsonaro e seus aliados foram à cerimônia, mas não ficaram para a festa

(BRASÍLIA) - Às vésperas do pleito eleitoral mais polarizado que o Brasil tem vivido, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, assumiu o comando do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em cerimônia de posse realizada na noite desta terça-feira (16), na sede do TSE, em Brasília, estiveram presentes políticos e autoridades, entre eles, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), e o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A solenidade foi um termômetro para as eleições de outubro deste ano.

Bolsonaro esteve na tribuna ao lado de Moraes e dos outros chefes dos Três Poderes. Já os ex-presidentes Dilma Rousseff, José Sarney, Lula e Michel Temer foram acomodados na primeira fileira de cadeiras.

Enquanto Lula e Temer sentaram lado a lado e foram vistos, inclusive, conversando ao pé do ouvido, Dilma não se sentou ao lado de Temer, que foi seu vice-presidente e assumiu o Executivo do país após o impeachment da petista. 

Na segunda fila, atrás dos ex-presidentes, estavam o ministro da Economia, Paulo Guedes, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, das Comunicações, Fábio Faria, e da Casa Civil, Ciro Nogueira. Na ocasião, o ministro Paulo Guedes chegou a cumprimentar Dilma.

Ao todo, pelo menos 22 governadores estiveram na solenidade.

Em entrevista ao BSM, o ministro do STF, Luís Roberto Barroso, disse que espera que a campanha seja composta por “ideias na mesa e sem ódio, agressividade e desinformação”.

“Acho que ainda é um ponto de partida, mas não passou o tempo de duração para saber a temperatura como vai ficar”, declarou.

Cerimônia

Após a posse, convidados e imprensa participaram dos cumprimentos ao ministro e de uma cerimônia regada a whiskey, vinhos e espumantes.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, e seus aliados não ficaram para o evento que tinha tom festivo. A saída à francesa por parte de Bolsonaro foi considerada como uma sinalização contra Alexandre de Moraes. Apesar disso, durante a cerimônia de posse, ainda na tribuna, os dois foram vistos conversando e trocando risadas.

Já Lula e Dilma compareceram à festa e cumprimentaram o empossado com sorrisos largos e abraços.

Foto: Yasmin Alencar/Jornal BSM

Desavenças entre Alexandre de Moraes e Bolsonaro

As diferenças entre Bolsonaro e Moraes são conhecidas nacionalmente. O ministro é perseguidor político do presidente e seus apoiadores. 

Durante seu discurso de posse, ao falar sobre defesa do sistema eleitoral, Moraes foi aplaudido pelos presentes, exceto por Bolsonaro.

 


"Por apenas R$ 29/mês você acessa o conteúdo exclusivo do Brasil Sem Medo e financia o jornalismo sério, independente e alinhado com os seus valores. Torne-se membro assinante agora mesmo!"