CRISTOFOBIA

Paranoia anticristã faz banda de punk ser cancelada em todo o país

Cristian Derosa · 22 de Junho de 2022 às 13:50

Chocados com mensagem cristã, casas de shows censuram performance artística em nome de uma "sociedade laica" e acusam banda até de homofobia

Shows da banda de pop punk emo NLM, dos EUA, estão sendo cancelados em todo o Brasil simplesmente por conter uma performance com mensagem cristã que foi vista como insuportável e agressiva por algumas pessoas. O grupo foi acusado de "enganar" os fãs e até de "intolerância religiosa". A polêmica começou depois que mensagens de intolerância e ódio de uma pessoa que viu o show viralizaram nas rede sociais.

Em turnê pelo Brasil, a banda começou a ser cancelada após o show em São Paulo, quando uma internauta postou uma mensagem revolada com o que viu. A performance do show mostrava uma menina que começa a ter "pensamentos autodestrutivos", mas o narrador da história decide morrer no lugar dela.

“Existe uma forma de se salvar da escravidão e essa forma é encontrar Jesus”, afirmou um dos integrantes durante a encenação.

A performance chocou a internauta e a sua mensagem nas redes sociais foi usada por jornais e casas de show para literalmente cancelarem a banda, que passou a ser acusada de tentar "impor" a sua crença.

“Era tudo uma forma de catequizar as pessoas. O show era grátis e com convidados f* para atrair público – e era tudo pra falar de jesus”, disse a mulher revoltada, conforme o Notícias do Dia. Jornais e revistas especializadas relataram o episódio no mesmo tom, como se fosse um golpe que a banda estaria aplicando no público.

A mídia e os roqueiros reacionários optaram pelo cancelamento censurador contra a banda que ousou criticar a estética autodestrutiva do rock e dos meios musicais. O resultado foi uma explosão de ódios.

"Show emo engana fãs ao virar pregação gospel", estampou a revista de rock Rolling Stone. "Quem é o grupo evangélico disfarçado de banda de pop punk", diz o site Observatório dos Famosos. Essas são algumas das peças de intolerância disfarçadas de jornalismo vistas nesta quarta-feira (22) no Brasil, estampando uma paranoia anticristã.

O Notícias do Dia, de Florianópolis, chegaram ao ponto de tratar a religião da banda como um "segredo polêmico".

"Banda NLM se mostra gospel durante apresentação e encena morte com forca e caixão de LED", diz a linha fina da matéria, dando a entender que a apresentação teria "chocado" a sensibilidade do público acostumado com bandas como Nervo Chaos, tributo ao Pandera, Ozzy, entre outros.

O jornal GZH, de Porto Alegre, tentou disfaçar a cristofobia deixando a censura mais escancarada. O jornal relatou que as bandas brasileiras Scalene e Cefa, que abririam os shows do NLM no Brasil, cancelaram suas apresentações depois que, diz o jornal, "vídeos da passagem do grupo norte-americano por São Paulo viralizaram nas redes sociais, com músicos encenando um suicídio".

"Infelizmente, resolvemos cancelar a nossa participação na tour junto com o NLM pelo Sul nesta semana. Conversamos muito sobre essa situação e devido a coisas que estão fora do nosso alcance, não nos sentimos confortáveis em realizar esses shows", afirmou a banda, em nota. A banda mencionou a mensagem cristã, que acreditou que foi inconveniente.

 

Célula de ignorância

Em Florianópolis, a casa de shows de rock Célula Showcase emitiu uma nota na qual cancela a participação do grupo associando-o a uma "intervenção invasiva".

“Essa ação se dá pelos acontecimentos dos últimos shows em virtude da intervenção invasiva e violenta que é apresentada ao show e encenação”, disse a nota. 

Em repúdio aberto ao cristianismo, o Célula fez uma lacradora justificativa, acusando a banda até mesmo de homofobia, xenofobia e outros chavões repetidos por professores da faculdade. Eles assumem que o cristianismo aciona gatilhos de paranoias que remetem a mitos do passado.

“Tal situação apresentada nos remete a vários gatilhos que vem passado desde a invasão europeia e que estão bem vivas hoje na homofobia, xenofobia, intolerância religiosa e cultural afro", disse a nota da casa de shows especializada em rock.

O grupo vai além e defende que a sociedade seja laica e não somente o estado, o que acredita significar a proibição total de expressões artísticas que remetam ao cristianismo.

“Acreditamos numa sociedade laica e que possa ter o seu direito de crer ou não crer reservadas, sem que haja nenhuma necessidade de ser constrangidas e invadidas, como tal artificio”, afirma a Célula Showcase sem explicar como a mensagem artística do grupo impede ou limita o direito a crer ou não crer do público.

 

Laicismo e autodestruição

Sentindo-se agredidos pela performance artística da NLM, os produtores decidiram rejeitar o show da banda por motivo religioso. Não se tem notícia de alguma banda que tenha sido rejeitada no Célula ou em outro local "laico" por ter feito críticas ao cristianismo ou mensagem abertamente satânica. Sendo assim, o laicismo defendido pelo Célula é abertamente anticristão, fruto de uma paranoia que está chegando ao ponto da pura e simples censura a toda manifestação artística vista como inconveniente.

O fundo da questão pode ser apontado pela crítica que o NLM faz de mensagens e conteúdos autodestrutivos, generalizadamente cultuados nos meios em questão. Mensagens cristãs, além de despertarem gatilhos psicológicos, têm a característica de falarem da morte de maneira mais profunda do que a mera evocação de estéticas macabras. Um meio que lucra com uma estética de autodestruição não pode tolerar nenhum questionamento do que funciona como combustível cultural de vendas e costumes. O resultado é uma reação de ódio e intolerância motivada por uma paranoia censuradora e reacionária.

 

 


"Por apenas R$ 29/mês você acessa o conteúdo exclusivo do Brasil Sem Medo e financia o jornalismo sério, independente e alinhado com os seus valores. Torne-se membro assinante agora mesmo!"