AMÉRICA LATINA

Operação de mercenários fracassa em tentativa de derrubar Maduro

Lucas Ribeiro · 9 de Maio de 2020 às 10:14

Tentativa de invasão da Venezuela foi liderada por mercenário americano e ex-militar chavista. Líder oposicionista Juan Guaidó foi vinculado ao episódio, mas nega participação

Uma tentativa fracassada de invasão marítima na Venezuela ocorreu entre os dias 3 e 4 maio de 2020 no balneário de Macuto na Guaira, a denominada operação Gedeon. O grupo foi liderado pelo ex-militar americano e atual mercenário de guerra Jordan Goudreau e o ex-militar chavista Cliver Alcalá. Neste vídeo podemos ver o militar convocando para a luta de libertação da Venezuela. Contudo, o regime de Maduro conseguiu capturar e matar alguns dos membros dessa invasão.

O poderoso líder socialista Diosdado Cabello confirmou a morte de ao menos oito dos envolvidos na incursão marítima. Entre eles o desertor das forças venezuelanas Robert Molina, apelidado de “Pantera”. As autoridades venezuelanas apresentaram depoimento de Luke Denman, detido na operação. Ele confirma a liderança do mercenário Goudreau na operação.

Goudreau, que não estava na operação fisicamente, em entrevista por Skype , mostrou a jornalista venezuelana um contrato com assinatura de Juan Guaidó, líder oposicionista venezuelano, e seu estrategista político JJ Rendon. Esse contrato definia os termos da operação e Jordan Goudreau ainda reclama da falta de pagamento por Juan Guiadó.

Guaidó, que é presidente da Assembléia Nacional, nega ter assinado esse contrato, contudo o próprio JJ Rendon confirmou na CNN a assinatura do documento. Dessa forma, a participação do líder venezuelano é bem provável, embora ele busque se desvincular da operação pelos resultados fracassados.