Brasília

Letícia Catelani ganha ação contra Editora Abril

Letícia Alves · 16 de Janeiro de 2021 às 14:45

A empresária e ex-diretora da Apex, uma das primeiras vítimas da perseguição contra conservadores pela ala militar do governo, foi chamada de "pistoleira" em reportagem da revista Veja. 

A empresária e ex-diretora da Apex Brasil (Agência Brasileira de Exportações e Investimentos) Letícia Catelani ganhou ação contra a Editora Abril e receberá R$ 15 mil de indenização por ter sido chamada de "pistoleira" em reportagem tendenciosa da revista Veja publicada em maio de 2019.

Para quem não se lembra, Catelani foi nomeada pelo ministro de Relações Internacionais, Ernesto Araújo, para a diretoria de negócios da Apex — logo no início do governo Bolsonaro, em janeiro de 2019. Em cerca de cinco meses no cargo, Catelani conseguiu derrubar dois presidentes da Agência e transformá-la em uma forte trincheira do movimento conservador e bolsonarista dentro do governo, cancelando vários contratos, e deixando de renovar outros, que alimentavam a esquerda com dinheiro público. 

O combate, no entanto, não passou despercebido pela ala militar do governo e pela grande imprensa. Dentro da Apex, a então diretora não era bem vista por parte dos funcionários; fora, era alvo de diversas matéria negativas da mídia. Ela também chegou a afirmar que sofria pressão de superiores para "manter contratos espúrios", além de ameaças e difamações.

Por fim, em março, foi demitida assim que o novo presidente do órgão assumiu o posto: contra-almirante Sergio Ricardo Segovia Barbosa, sob influência do então ministro da Secretaria de Governo, o general Santos Cruz. Foi uma das primeiras vitórias contra bolsonaristas pela ala militar do governo, que vem acumulando muitas intervenções bem sucedidas desde então.

Alguns dias após sua demissão, a revista veja publicou uma reportagem tendenciosa contra Catelani, acusando-a de ser responsável por crises e ineficiência na Apex. O texto também cita um suposto apelido pelo qual os funcionários da Agência a chamavam: "Pistoleira", mas isso porque ela é atiradora e gosta de armas.

Catelani contestou a reportagem na Justiça, alegando que a revista extrapolou o direito de informar ao usar o termo. A 3ª Turma Recursal Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença que condenou a Editora Abril por danos morais.

"Atuação com a intenção de informar e naquilo que poderia ensejar como jocoso ('pistoleira'), vem seguido da explicação pelo fato da autora gostar de armas de fogo. Contexto da reportagem que não tem relação. Saída da autora/recorrente da Apex que não tem qualquer ligação com o fato de gostar de armas ou assim ser chamada pelos antigos funcionários da instituição pública", afirma o relator, juiz Rodrigo de Castro Carvalho, na decisão.

A defesa da empresária recorreu na Justiça para que seja aumentado o valor da indenização, que será integralmente doado a uma instituição de caridade. 

 


É justamente por isso que você precisa assinar o Brasil Sem Medo. Por menos de 1 real por dia, você tem acesso exclusivo às nossas matérias, análises, entrevistas, crônicas, podcasts e ebooks. Você pode optar pela assinatura anual, por 290/ano (média de R$24/mês) ou pela assinatura trimestral, por 87/trimestre (média de R$29/mês) e acessar agora mesmo a todo o conteúdo premium do Brasil Sem Medo.