QUARENTENA NA VIDA REAL

Feira livre

Fábio Gonçalves · 2 de Abril de 2020 às 19:11

Vi, vivi e venci. Furei as linhas do inimigo. Estive lá, no meio do campo de batalha. Fui, pois, à feira livre.

Depois de duas semanas enclausurado, metido de corpo e alma no escritório, na frente deste  notebook agourento só ouvindo notícias terríficas, hecatombes, movimentos militares, Papa rezando sozinho, presságio do fim de mundo, cumprimento das profecias de Fátima, cometa dez vezes maior que Júpiter, que é Zeus, cruzando os céus, depois de tudo isso, vi pobres indiferentes; senhoras e senhores das mais variadas estirpes enfrentando de peito aberto a peste oriental; periguetes com seus mini-shorts, suas miniblusas, seus cabelos na chapinha, batom, brilho. Os feirantes com a mesma energia que move os feirantes desde os tempos da Babilônia. “Olha o tomate, olha o tomate”, “a dúzia é cinco, a dúzia é cinco”, “bom dia, bom dia, bom dia”.