PROTESTOS NA “RÚSSIA BRANCA”

Entenda a crise política na Bielorrússia

Brás Oscar · 19 de Agosto de 2020 às 16:54

O presidente Aleksandr Lukashenko consegue manter-se no poder há 26 anos e, até o momento, não está claro se os protestos que pedem a anulação de sua eleição representam a vontade da maioria da população

Aleksandr Lukashenko é chamado de “o último ditador da Europa”. Ele é presidente da Bielorrússia desde 1994, mas suas relações políticas com a antiga União Soviética são profundas e antigas. Desde a última semana, Lukashenko é o alvo de protestos de cidadãos bielorrussos questionando a legitimidade das últimas eleições. As reclamações vão desde a prisão de um concorrente até a suspeita de fraude no resultado, onde ele obteve uma vitória com 80% dos votos válidos. A Bielorrússia é um ponto crítico pendente na Europa e as razões para isso envolvem a Rússia mais do que Putin gostaria de admitir.


Quem é Aleksandr Lukashenko?

Lukashenko, que é ex-membro do Partido Comunista da União Soviética, teve formação militar no exército soviético. Depois da caserna, ele foi nomeado vice-presidente de um kolkhoz – fazendas coletivas que mantinham os ex-donos de terra em regime de escravidão – até o penúltimo ano do regime soviético, quando tornou-se deputado no Conselho Supremo da República da Bielorrússia, em 1990. Permaneceu no parlamento até as eleições de 1994, quando elegeu-se Presidente da República. Ainda em seu primeiro mandato, Lukashenko conseguiu impor uma nova constituição, extinguindo os poderes do primeiro-ministro e concentrando toda a autoridade no Presidente, com mandato de 5 anos sem limite de reeleição – há 26 anos, Lukashenko é o único a ocupar o cargo de mandatário máximo em seu país...