Drauzio Varella esqueceu-se da vítima

Vinicius Sales · 8 de Março de 2020 às 18:06
O transexual Suzy Oliveira, apresentado em reportagem do Fantástico, não recebe visitas há oito anos. Mas Drauzio Varella esqueceu-se de mencionar que ele estuprou e matou um menino de 9 anos

Após ser entrevistado pelo médico Drauzio Varella em uma reportagem sobre detentos trans, no programa Fantástico (de março), o criminoso Suzy Oliveira, ganhou destaque no programa semanal por não receber visitas há oito anos. O que a emissora omitiu dos telespectadores é Suzy está preso por homicídio, estupro e ocultação de cadáver de um menino chamado Fábio. Ele tinha apenas 9 anos.

Em um acórdão de revisão criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), requerido pela defesa de Rafael Tadeu de Oliveira dos Santos, o criminoso chamou o menino para ajudá-lo a carregar um monitor de computador em sua casa. Tendo-o dentro da casa, estuprou e matou o menino por asfixia.

Logo em seguida ele ocultou o corpo em sua casa por dois dias e o abandonou à porta da casa da mãe da criança. Para se despistar do crime, ele próprio avisou a mãe que havia um corpo em sua porta e também avisou o pai sobre o falecimento da criança. Após ser preso, ele confessou o crime. O desembargador Luiz Fernando Vaggione, relator do caso, negou a revisão criminal.

Muitas dúvidas foram levantadas se Suzy seria Rafael Tadeu. O Brasil Sem Medo ligou para a penitenciária I José Parada Neto, localizada em Guarulhos, onde está preso, e confirmou a identidade do criminoso.

Em depoimento à polícia, a tia de Rafael, Carlita Teixeira dos Santos, contou que ele já havia praticado outros estupros, tendo tentado abusar do sobrinho. “Ele roubava, mentia, não ia para a escola, até doze anos fazia coisas de criança, mas depois dos doze começou a roubar com arma, usava maconha.(...) Fiquei sabendo que ele trabalhava na padaria e foi acusado de estar abusando de uma criança de três anos e os parentes da criança foram na minha casa atrás dele, querendo matar ele. Fiquei sabendo que ele foi passar férias na casa do irmão e tentou estuprar meu sobrinho de cinco anos, quatro a cinco anos. (...) Na escola era acusado de pular o muro da escola, ir no banheiro passar a mão em alguém, roubava os professores, de estupro.

Ficou latente a tentativa de criar uma empatia do público com o criminoso solitário. Tanto na entrevista realizada por Drauzio, quanto nas matérias produzidas pela Globo, não há menção do crime que levou Suzy a ser preso e passar oito anos sem receber visitas. Como se não bastasse, o Fantástico divulgou a caixa postal da penitenciária onde Rafael se encontra. O G1 realizou uma matéria neste sábado (7) acompanhando a repercussão da entrevista e o recebimento de doações. É informado que Suzy já recebeu 234 cartas, porém Fábio não é mencionado.