ALERTA

China pede para a população estocar alimento

Fábio Gonçalves · 2 de Novembro de 2021 às 17:17

Medida teria como causa um aumento tímido no número de infectados pelo coronavírus

O governo chinês está pedindo que seus cidadãos saíam aos mercados e estoquem em casa itens básicos de alimentação e sobrevivência, como arroz e lanternas.

Segundo se supõe, o anúncio, feito pelas redes sociais, tem como objetivo guarnecer o povo para o caso de futuros lockdowns, evitando a catástrofe que foi o fechamento geral de Wuhan, no início do ano passado.

Acontece que nas últimas semanas, ainda que em escala tímida, vem crescendo o número de infectados pelo coronavírus, e Pequim tem parecido combater uma possível nova onda na política da tolerância zero.

Na prática, Xi Jinping e seus aliados estão permitindo um recrudescimento das medidas alegadamente protetivas e podem decretar quarentena radical, em qualquer localidade, a qualquer momento, como no caso de Lanzhou. 

A estocagem foi demandada em anúncio publicado no site do Ministério do Comércio, na noite desta segunda-feira (1º). No comunicado, o governo chama "as famílias a armazenarem uma certa quantidade de produtos de necessidade diária conforme necessário para atender a vida cotidiana e emergências". O informe não fala sobre iminentes riscos de desabastecimento decorrente de isolamento social.

As notícias locais dão conta de que, após o anúncio, muitas pessoas, sobretudo as idosas, correram desesperadas aos supermercados, temendo desaparecer das prateleira os víveres indispensáveis, como arroz e óleo.

Especula-se nas redes sociais chinesas que a demanda do governo seja motivada pela crescente tensão do país com Taiwan. Seriam, segundo essa teoria, preparativos de guerra.    

 


Faça sua assinatura anual do Jornal Brasil Sem Medo! Você paga por 10 meses e leva 12 (290/ano). Garanta seu acesso a reportagens relevantes, precisas e confiáveis, análises inteligentes e bem humoradas, 365 dias por ano.