DIÁRIO DE UM CRONISTA

Cem anos de santidade

Paulo Briguet · 18 de Maio de 2020 às 03:21

Homenagem ao papa São João Paulo II (1920-2005), que completaria 100 anos hoje
 

No final dos anos 40, os homens quiseram construir uma cidade sem Deus. Seu nome era Nowa Huta; ficava nos arredores de Cracóvia, na Polônia. O governo comunista levou para lá milhares de operários de todas as regiões da república. O plano era fazer de Nowa Huta, além de poderoso centro siderúrgico, a única cidade totalmente socialista do mundo. Socialista, materialista, marxista – e ateísta. 

Apesar de não ter sido convidado pelas autoridades, Ele apareceu em Nowa Huta. Veio junto com os milhares de operários católicos. Em vez de uma cidade sem Deus, os comunistas poloneses tiveram de se contentar com uma cidade sem igreja. Aliás, uma cidade sem a igreja física. Pois a igreja espiritual não só estava presente como também tinha um líder: o jovem bispo Karol Wojtyla, da vizinha Cracóvia. 

Durante muitos anos, Wojtyla bombardeou as autoridades polonesas com pedidos de autorização para construir uma igreja católica em Nowa Huta. Enquanto a resposta não vinha, os operários católicos revezavam-se vigiando aquilo que os comunistas não conseguiram impedir: uma cruz de madeira erguida na cidade. Finalmente, em 1977, as autoridades cederam à insistência de Wojtyla — e foi permitida a construção da igreja de Nowa Huta. 

No ano seguinte, aquele padre se tornou papa, com o nome de João Paulo II. Ao visitar seu país natal, o incansável polonês disse, para desespero das autoridades comunistas: “Embora os tempos mudem, embora no espaço dos campos de outrora, nas vizinhanças de Cracóvia, tenha surgido um enorme conjunto industrial, a verdade da vida do espírito humano — que se exprime através da cruz — não declina, é sempre atual, não envelhece nunca”. 

Numa arrebatadora mensagem aos católicos da Polônia e de todo o mundo, Karol Wojtyla concluiu suas palavras naquele 9 de junho de 1979: “Da cruz em Nowa Huta começou a nova evangelização: a evangelização do novo milênio. Esta igreja testemunha-o e confirma-o. Ela nasceu de uma fé consciente e viva e é necessário que continue a servi-la. (...) Construístes a igreja; edificai a vossa vida com o Evangelho!” 

Dez anos depois, em 1989, caía o Muro de Berlim. A cidade sem Deus revelou-se como o que de fato era: uma ilusão tirânica. Mas até hoje tentam reconstruí-la; na verdade, tentam transformar o mundo inteiro numa Nowa Huta de escravos. 

S. João Paulo II, rogai por nós!

Paulo Briguet é cronista e editor-chefe do BSM.