DOUTOR VÍRUS

Caso Fauci: o escândalo da pandemia

Braulia Ribeiro · 5 de Junho de 2021 às 12:59

Com as revelações dos e-mails de Anthony Fauci, estamos a um passo de poder oficialmente chamar o covid-19 de bioterrorismo

 

Aqui nos EUA todo mundo está falando dos e-mails do famoso Dr. Anthony Fauci, o assessor especial do governo americano para a pandemia, que trabalhou com Trump desde o início das infecções em 2020 e continuou no mesmo posto depois que o governo Biden assumiu. Fauci até agora tinha a reputação ilibada. É diretor do National Institute of Allergy and Infectious Diseases NIAID (guarde essa sigla, você vai ouvi-la muito) desde 1984. Além disso, era o chefe do laboratório de imunorregulação do instituto. Foi coautor de inúmeras pesquisas sobre a patogenicidade e tratamento de doenças infeccionadas e imunomediadas. Seu nome está entre os 32 mais citados em pesquisa médica no Google. Durante a sua carreira foi assessor de sete presidentes americanos.  Ou seja, o sujeito tem autoridade que não pode ser disputada. Quando Trump teve que escolher uma figura de grande peso para ser seu braço direito nas questões relacionadas diretamente à pandemia, não havia dúvidas de que Fauci era o melhor nome. Ele era na época talvez o único que teria a capacidade de enfrentar um desafio de tal magnitude sem receber os ataques com que a esquerda normalmente fustigava os membros do governo. O homem parecia imparcial, destilando ciência e credibilidade pelos poros, e apesar de trabalhar com Trump. Diferentemente do que acontece no Brasil com os reputados cientistas que cooperam com o governo Bolsonaro, sua credibilidade e currículo lhe garantiam o respeito da mídia.  

O que não se sabia era que a organização que ele comandava financiava pesquisas de “ganho de função”, ou seja, modificações em vírus que infectam animais e somente animais, para que passem a ser infecciosos e letais em seres humanos no próprio laboratório de Wuhan, o maior da China para esse tipo de pesquisa. Apesar de Fauci ter jurado diante de senadores americanos que não sabia que grants da NIAID, que é financiada com os impostos dos americanos, teriam financiado pesquisas de ganho de função, os e-mails contam uma história diferente...