SEGURANÇA PÚBLICA

Bolsonaro prorroga permanência de forças federais no Ceará

Fábio Gonçalves · 28 de Fevereiro de 2020 às 16:44
Presidente atendeu a uma solicitação do governador petista Camilo Santana, que enfrenta greve de PMs e onda de crimes no Estado

O presidente Jair Bolsonaro decidiu prorrogar decreto de de Garantia da Lei e Ordem (GLO) e manter tropas das Forças Armadas no Estado de Ceará até a próxima sexta-feira, 6 de março. 

O prazo de permanência das Forças Armadas no Estado nordestino acabaria hoje, e, até ontem, o Planalto não havia confirmado se acataria ou não o pedido de prorrogação do governador petista Camilo Santana. 

Os policiais militares amotinados assinaram um documento com 18 exigências à administração estadual, dentre os quais está um reajuste salarial, readequação da escala de trabalho, auxílio saúde, auxílio habitacional e, sobretudo, anistia aos agentes presos por aderirem à paralisação (são 48 os PMs detidos).   

Entretanto, na tarde de hoje, a Comissão que cuida das tratativas com os PMs grevistas no estado do Ceará disse que não concederá o perdão aos amotinados já detidos ou afastados das atividades.

A justificativa da Comissão, formada por membros dos três poderes e  representantes da sociedade civil, como o presidente da OAB cearense, Erinaldo Dantas, é que o representante dos policiais, o deputado federal Cabo Sabino (PL), tem um mandado de prisão em aberto por ser acusado de comandar o motim. 

Por esta razão, o procurador-geral do estado, Juvêncio Vasconcelos Viana, recusou-se a avançar com as negociações.

“É inviável do ponto de vista institucional sentar à mesa com uma pessoa nessa condição.”