DIÁRIO DE UM CRONISTA

As lágrimas de Kyle

Paulo Briguet · 19 de Novembro de 2021 às 18:31

Absolvição do jovem Kyle Rittenhouse é um sinal de esperança para aqueles que amam a verdade



Nossa civilização está caminhando rapidamente para um confronto final entre dois grupos. Não se trata da luta entre a burguesia e o proletariado, ou entre os homens e as mulheres, ou entre os negros e os brancos, ou entre os ocidentais e os orientais. Trata-se da guerra que opõe, de um lado, aqueles que defendem a destruição completa da velha sociedade e a construção de um paraíso na Terra; de outro, aqueles que aceitam a imperfeição do mundo e lutam para proteger aquilo que amam. De um lado, os entusiastas do Admirável Mundo Novo; de outro, os peregrinos no Vale de Lágrimas. De um lado, os progressistas; de outro, os conservadores.

Esses dois lados se confrontaram no julgamento do jovem americano Kyle Rittenhouse. Acusado de duplo homicídio, entre outros crimes, depois de atirar em dois militantes “antifascistas” na cidade de Kenosha, Kyle invocou o princípio da legítima defesa. Foi absolvido de todas as acusações. A imagem de Kyle chorando após a leitura da decisão do júri é uma das cenas mais comoventes que vi nos últimos anos.

Aquele garoto não foi absolvido sozinho. Com ele, foram inocentados todos aqueles que ainda acreditam nas ideias e virtudes que fundamentam a civilização, ideias e virtudes que procedem as Três Cidades: Atenas, Roma e Jerusalém. A filosofia grega, o direito romano e a revelação judaico-cristã.

A absolvição de Kyle é, ao mesmo tempo, uma condenação enfática da mentalidade revolucionária que pressupõe a aniquilação das mencionadas fontes civilizacionais. Essa mentalidade que justifica todo e qualquer crime, toda e qualquer atrocidade, e por fim todo e qualquer genocídio, desde que se apresente o salvo-conduto da “justiça social” e do “mundo melhor”. Foi essa mentalidade que gerou os grandes desastres de nosso tempo, com a morte de milhões de pessoas em tempos de paz.

Não obstante, se a sentença do tribunal de Kenosha é um sinal de esperança para as pessoas que amam a verdade, é uma afronta aos filhos de Caim, a todos aqueles que respiram a mentira, o ódio e a revolta. Nos próximos dias, veremos uma onda de violência e caos na América.

É a guerra, não tenham dúvida. E já escolhemos o nosso lado.

Paulo Briguet é escritor e editor-chefe do BSM.

 


Faça sua assinatura anual do Jornal Brasil Sem Medo! Você paga por 10 meses e leva 12 (290/ano). Garanta seu acesso a reportagens relevantes, precisas e confiáveis, análises inteligentes e bem humoradas, 365 dias por ano.