GUERRA

Amor em tempos de guerra

Taiguara Fernandes · 27 de Fevereiro de 2022 às 11:07

Uma corajosa celebração da vida e do amor por um jovem casal ucraniano

 

 

Algumas histórias vindas da Ucrânia me têm feito pensar muito sobre como a destruição da cultura ocidental e dos nossos valores foi nociva e profunda.

O casal das fotos acima são Yaryna Arieva e Sviatoslav Fursin, cidadãos ucranianos. Eles se casaram poucas horas depois de a Rússia lançar sua invasão contra o país.

O casamento deveria ser só em maio, mas eles não sabem se estarão vivos até lá e quiseram ser um só diante de Deus antes de qualquer coisa acontecer.

Como foi o seu primeiro dia de casados? Pegando em rifles para defender o país.

Há muitas coisas nisso que mostram como o nosso Ocidente está em profunda crise espiritual.

Deixo as respostas com você:

1) será que as pessoas dariam tanto valor ao sacramento do matrimônio por aqui, ou prefeririam deixar para depois, quando pudessem ter um simples “evento social”?

2) será que unir-se à pessoa amada diante de Deus para sempre seria visto como algo tão urgente por aqui, a ponto de todos os planos mudarem e isso ser buscado no meio de uma guerra?

3) será que daríamos tanto valor à defesa de nossa comunidade, do nosso povo, dos nossos valores, para abrir mão do conforto, do “primeiro dia de casados”, entender o valor do sacrifício e lutar por isso?

4) será que a nossa consciência da morte, de que podemos acabar a qualquer momento, de que estamos sempre diante de Deus — será que isso seria tão forte?

5) resistiríamos a uma guerra?

Então, junte isso à informação de que o Arcebispo maior da Igreja Greco-Católica Ucraniana (em comunhão com Roma), Sviatoslav Shevchuk, mandou deixar todas as igrejas abertas para acolher as pessoas em meio à guerra e aos bombardeios.

Compare isso com a atitude de tantos padres e bispos ocidentais que preferiram, vários por contra própria, fechar as igrejas durante os dois últimos anos e negar os sacramentos às pessoas — muita atenção ao corpo e nada à alma; muita gente morreu sem unção.

É impossível não comparar e perceber como o nosso Ocidente foi DESTRUÍDO em seus valores e em seu espírito.

Nem sabemos se Yaryna Arieva e Sviatoslav Fursin ainda estão vivos, mas que Deus os abençoe e também ao seu matrimônio.

Sejamos gratos a eles pelo exemplo.

 


"Por apenas R$ 29/mês você acessa o conteúdo exclusivo do Brasil Sem Medo e financia o jornalismo sério, independente e alinhado com os seus valores. Torne-se membro assinante agora mesmo!"