REPERCUSSÃO NO EXTERIOR

Velhas mentiras no Velho Continente

Brás Oscar · 25 de Maio de 2020 às 15:44

A reação da mídia europeia ao vídeo da reunião ministerial é uma festival de fake news e desinformação coordenadas. Por quem?

vídeo da reunião ministerial era para ser bombástico, mas no Brasil converteu-se num misto de campanha pró-Bolsonaro e fonte infinita de memes. Até alguns inimigos do Presidente foram obrigados a admitir a brochada histórica após tanta excitação. Mas a extrema-imprensa não larga o osso, seja do lado lá ou de cá do Atlântico.

O assunto não passou em branco por nenhuma das principais publicações europeias. No melhor tom de jornalismo pseudo-isento, as manchetes e editoriais variavam entre o exagero, a omissão e a mentira pura, porém com algo em comum: todas convergindo para a criação de uma mesma narrativa. Vamos às principais publicações, por país.

Portugal – O “Público” anunciou em sua edição online que o vídeo “mostra um Governo tomado por rivalidades e paranoias”. Em meio a um texto que citava apenas fragmentos do vídeo, havia um especial destaque para as falas do Ministro Weintraub, sobre a “prisão de juízes”… como se juízes nunca cometessem crimes e fosse uma heresia alguém aventar tal hipótese. A narrativa do “Público”, que dedicou duas matérias ao vídeo durante o fim de semana, é que o vídeo sustentava o “depoimento de Sérgio Moro, que acusa Bolsonaro de interferência na Polícia Federal”.
A “SIC”, canal aberto de TV, no seu noticiário, com direito a link ao vivo com correspondente internacional no Brasil, insiste exatamente na mesma narrativa que o “Público”. Nenhum dos jornais disponibilizaram o vídeo integral. A narrativa que se cria em Portugal...