CONSERVADORISMO

Direita unida ou direita desunida?

Evandro Pontes · 20 de Agosto de 2020 às 14:55

O que a direita precisa não é de “união” – a direita precisa mesmo é estudar mais e falar menos

Tornou-se lugar-comum a tolice remetida em frase de banheiro de tuiteiro: “Temos que unir a direita”.

Antes de soltar alguma frase no estilo “Unir é o cacete!”, permita-me o leitor ser um tanto filosófico.

Lembro aqui de um autor que poucos conhecem e que falava bastante de união: Enrico Corradini.

Em 1922 ele escreveu a obra L’unità e la potenza delle nazione (A unidade e o potencial das nações).

Corradini pregava, ao seu tempo, uma espécie de “união política” entre os anti-socialistas, com algumas reservas, entretanto, em face dos liberais (apesar de ver com bons olhos uma “união” com eles, desde que sujeitos a uma coordenação do líder, que em italiano é duce que se fala).

Seu nacionalismo era expansionista, imperialista: “natural consequência” de uma “união superior”, em que o coletivismo é almejado sem prejuízo do individualismo desejado. A “união” é, pois, um instrumento da sua política “anti-socialista”+