DISTOPIA

A barca da morte nos hospitais canadenses

Braulia Ribeiro · 19 de Maio de 2022 às 18:00

Com o abandono dos valores cristãos, a morte assistida de pessoas pobres ou depressivas passou a ser rotina no Canadá

A revista britânica The Spectator publicou uma reportagem no final de abril sobre a frequência com que os canadenses mais pobres estão optando por receber assistência para morrer. Em 2015, a Suprema Corte do Canadá cancelou uma jurisprudência que bania a eutanásia no país. Desde então, as mortes assistidas passaram a ser parte natural da rotina de médicos e hospitais no país. O que parecia para alguns uma medida humanitária que ajudaria doentes terminais a evitar algumas semanas ou dias de intensa dor tornou-se agora uma medida sanitária quase que obrigatória para os desfavorecidos.  Segundo The Spectator, a lei aprovada pelo parlamento canadense – Bill C-7 – aboliu de seu texto a cláusula que requeria que a pessoa pedindo a morte fosse doente terminal. Ou seja, a porta da morte assistida foi aberta não apenas para alguns que talvez necessitassem dela, mas virou uma verdadeira barca de Caronte, transportando qualquer um que lhe dê o óbolo do consentimento para os portões do Hades.  E o que é pior: a morte é gratuita, oferecida generosamente pelo governo...